Buscar
  • portalbuglatino

A Casa, a Família e o Gato (Episódio 5)


A Casa, a Família e o Gato

UM CONTO DE QUARENTENA

Episódio 5


13 horas e 2 minutos

A Mãe regressa, vem com fome. Quando tem sono ou fome fica de mau humor e não vale a pena tentar falar com ela antes de lhe porem à frente o prato de sopa bem quente.

O Gato ainda tenta a sorte, roçando-se nas pernas dela a ver se tem direito a colo, mas ela nem fez caso dele. Então ele sai da cozinha aborrecido e vai esconder-se debaixo da cadeira do hall, encostado à encomenda.

Durante o almoço ouvem o noticiário e o Filho lê-lhes o relatório atualizado da Direção Geral da Saúde. Há uns dias, durante o jantar, a Mãe e o Pai tiveram uma discussão por causa da televisão estar constantemente ligada e a Mãe levantou-se da mesa e foi até à cozinha.

- Eu sei que devemos estar informados, mas não é preciso tanto! – disse quando regressou, com um timbre irritado na voz – A minha capacidade para absorver tanta desgraça tem limite! Não aguento passar as refeições a ver os funerais sem presença das famílias, os caixões em fila, os médicos à beira da exaustão. A isto ainda se juntam as dezenas de mensagens, vídeos e afins com informações sobre Covid-19! – respirou fundo, obrigou-se a acalmar um pouco e prosseguiu – Eu sei que é isso que está a acontecer. É doloroso e assustador. Desde que a pandemia se tornou tão real para nós, não houve uma única noite que tenha dormido seguida. Estou preocupada e tenho medo, mas não posso estar sempre a pensar e a falar sobre isso. Talvez seja fraqueza minha, mas preciso momentos de descanso. Acho que devemos reduzir o tempo de noticiários de forma a nos mantermos atualizados, mas não ficarmos assoberbados – suspirou e calou-se.

O Pai levantou-se e abraçou-a. O Filho pegou no comando da televisão e mudou para um canal onde passava um documentário sobre a vida dos coalas no nordeste da Austrália. Ela encostou a cabeça, deixando as lágrimas escorrerem, e sentiu-se aliviada.

Agora ouvem o noticiário durante o almoço, mas ao jantar escolhem sempre um programa diferente ou, simplesmente, deixam a televisão desligada.

14 horas e 1 minuto

A Mãe tem de retomar o trabalho. Apesar de estarem em teletrabalho, o horário é para cumprir, avisou o chefe, e tem duas reuniões por dia, a meio da manhã e a meio da tarde, para ver se tudo está a correr bem e para ver se estão todos devidamente sentados em frente ao seu computador (esta última parte ele não disse mas eu ouvi a Mãe comentar com o Pai que era para isso que serviam tantas reuniões).

A Mãe gosta do teletrabalho. Ela é um pouco individualista e dá-se bem no sossego e na solidão. Aprecia ter uma sala só para si, onde pode ouvir música sem auriculares nos ouvidos e não tem que conversar sem lhe apetecer, nem atender telefonemas inoportunos, nem falar com algum cliente que resolve aparecer sem hora marcada. Para ela, esta seria a forma ideal de trabalho e tem constatado que a sua produtividade espelha o conforto que essa opção lhe proporciona.

Mas não foi assim desde o início do estado de emergência. Quando começou o confinamento, eram obrigados a ir trabalhar presencialmente em dias alternados e a Mãe andava revoltada e ansiosa.

Acordava de madrugada nesses dias e já não tornava a adormecer. Eu via-a às voltas na cama e o Gato também sentia e vinha sentar-se à porta do quarto. A logística para sair de casa era complicadíssima. Na primeira vez, queimou a língua com café demasiado quente, partiu dois ovos que o Gato teimou em lamber do chão, misturados com a lixívia do pano com que ela tentava à pressa apanhar as claras viscosas, e andou para trás e para a frente várias vezes, constatando sempre que ainda faltava alguma coisa para poder sair em segurança. Esse dia foi particularmente difícil para ela.

A agravar a natural apreensão, o computador não estava a funcionar o que deu origem a que o seu o posto de trabalho fosse ocupado, à vez, por pessoas que tentavam resolver o problema, sem que ela conseguisse deixar de pensar na carga viral que poderia carregar cada um que se aproximava. Cada vez que alguém ia embora, desinfetava afincadamente a secretária, a cadeira, o teclado, o rato, o telefone e arejava a sala. Chegou ao trabalho às 8h50m e computador ficou operacional às 16h30m. Das sete horas que lá esteve gastou cerca de três a desinfetar-se e a desinfetar a sala, meia hora a falar com o chefe, cerca de dez minutos em reunião online e as restantes a ver o tempo passar.

Depois disso, e já que o dia estava estragado e ela estava na rua, a sentir-se suja e infetada, aproveitou para realizar a complicada tarefa de ir ao supermercado. Colocou-se na fila ordeira de pessoas a respeitar as distâncias de segurança, e o desamparo atingiu-a em cheio. Sentiu-se terrivelmente sozinha. As pessoas esquivavam-se umas das outras, com olhares envergonhados como quem pede desculpa por ter medo. Ela inspirava e a máscara colava-se à cara deixando-a ligeiramente tonta, sentindo que o ar não lhe chegava para respirar fundo. Fez as compras em sobressalto constante, preocupada com tudo o que tocava e passando desinfetante nas mãos diversas vezes. Já não se lembrava em que é que mexera, se devia desinfetar o volante do carro, se devia guardar o troco na carteira ou no bolso, se seria melhor conservar a máscara posta até chegar a casa. O único pensamento claro que tinha é que queria fechar-se rapidamente na segurança do seu lar.

Quando finalmente chegou, despiu-se na varanda (parece-me que já nenhum vizinho se admira com gente em roupa interior nas varandas), pôs a carteira e os sacos das compras a apanhar sol e desinfetou, antes de arrumar nos armários, todas as embalagens. De seguida, física e psicologicamente exausta, deixou-se afundar no sofá. Pela primeira vez desde o início do confinamento, nesse dia não treinou.


Episódio 1

https://www.buglatino.com/post/a-casa-a-fam%C3%ADlia-e-o-gato

Episódio 2

https://www.buglatino.com/post/a-casa-a-fam%C3%ADlia-e-o-gato-epis%C3%B3dio-2

Episódio 3

https://www.buglatino.com/post/a-casa-a-fam%C3%ADlia-e-o-gato-epis%C3%B3dio-3

Episódio 4

https://www.buglatino.com/post/a-casa-a-fam%C3%ADlia-e-o-gato-epis%C3%B3dio-4


A Casa, a Família e o Gato

UM CONTO DE QUARENTENA

Cláudia Quaresma

https://agajanaochora.blogspot.com/


Fotos de Tiago Lourenço e de Cláudia Quaresma

@the.tiagolourencoph





108 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

ESPERAMOS SEU CONTATO

+55 71 99960-2226

+55 71 99163-2226

portalbuglatino@gmail.com

  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Tumblr - White Circle
  • Instagram - White Circle