Buscar
  • portalbuglatino

Conto "ALICE E O RESTO DO ESPELHO"


Lá estava ela – Alice. O País do espelho ela via pelos caquinhos do seu. Mas como não falava com mais ninguém – havia cancelado todos – achava que aquela coisa em frangalhos de alguma forma estava inteira e todos estavam saudáveis e felizes, num mundo são.


Há quanto tempo o mundo não era são, nem se sabia mais. Tinha virado Blade Runner e os humanos estavam se desumanizando e virando androides.


Uma fala estranha ao lugar, mas totalmente inserida no momento, saiu na boca do espelho da Alice: “I’ll be back”. Ela deveria ver aquilo como uma ameaça ou como uma promessa sensual? Em que mundo viveria Alice?


Do seu mundo meio doido, mas feliz, tinha sobrado apenas a loucura. O Coelho Maluco passou contando os mortos com toda pressa porque não tinha onde enterrá-los. Tic tac.


Alice sofria e inventava soluções maravilhosas para os terríveis problemas do mundo. “Estão dizendo que tem gente morrendo, mas é mentira. O mundo inventa coisas só para prejudicar quem está feliz”. E no País do espelho nem tinha mais lugar pra se internar...


Sua mãe cansou de dizer, mas de tanto fazê-lo, calou-se. Mas sua voz ecoava no país do espelho: “Alice, onde você vai? Com quem está andando?” Mas dentro de um mundo estranhamente doente, Alice via o Gato que Ri e com ele fumava coisas estranhas pra continuar vivendo em seu mundo de ficção.


Alice foi feliz. Mas na sua vida antiga, ingênua. Nem imaginava quando tinha deixado de sê-lo. As florestas queimaram, o mundo se desertificou, a água ficou rara, o ar se poluiu e Alice, passou a se drogar de seus sonhos mentirosos, de ilusões que um dia ruiriam.


Como nos filmes, nada dilui os piores momentos, os nós dramáticos. O mundo se sentou diante da TV, qual Alice, sonhando com curas sem vacinas, sem máscaras, sem sacrifícios. Um país de espelho em frangalhos que se encontra por todo o mundo. Um mundo cada vez mais egoísta, mais solitário, suicida e triste.


A Alice que vivia no País das Maravilhas, quebrou o espelho da realidade e nele apareceram apenas Reis e Rainhas malucos, aos gritos de “Cortem-lhes as cabeças!” Mas lá longe, bem lá longe mesmo, no seu pensamento mais perdido, havia uma voz realista que repetia: “Alguém pode me dizer o caminho para sair daqui?”

ANA RIBEIRO

86 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

ESPERAMOS SEU CONTATO

+55 71 99960-2226

+55 71 99163-2226

portalbuglatino@gmail.com

  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Tumblr - White Circle
  • Instagram - White Circle