Buscar
  • portalbuglatino

A poesia nem sempre rima


Tudo parece fazer sentido e nada parece fazer sentido. Tudo desanda e tudo rima. As respostas nem sempre batem com as perguntas. A vida é tanta coisa e coisa nenhuma.



1. Poesia indicada pelo Bug Latino


Porquê este desânimo e tristeza,

quando a vida está mesmo aí,

à espera e à espreita

do nosso alento e firmeza?


Porquê esta vontade contida

se sabemos que o tempo é finito,

que a existência é fugaz e ligeira

para ser mal estimada e vivida.


Porquê este brando sorriso,

quando o Sol nos aquece e acalma

nos dias mais frios e sombrios,

sem dor ou juízo?


Porquê esta frágil ousadia

nesta consciência dum tempo

que nos alerta e lembra

para uma escolha tardia.


Porquê este sentimento de covardia

quando desejas a felicidade,

o conforto de um simples toque

e um olhar de valentia?


Será a mente tão tortuosa

para esta constante tormenta?

Será esta a dor que alimenta

esta existência tão generosa?


Será este o porquê de tal inquietação

de tanto tumulto e desalinho?

Será este o nosso eterno choradinho,

Que nos forja e turva a visão?


Não quero a sombra de um corpo curvado,

ou o sentir de uma lágrima reprimida.

Não quero um ser subjugado

numa existência rendida.


Não quero o calafrio de um temor

num momento de distracção.

Quero a paixão de um amor,

sem regras ou ponderação.


Quero a energia de um abalo

num momento de desalento.

Quero a emoção dum doce embalo,

em cada mágoa ou sentimento.


João Paulo Pimentel

Maio, 2021

@jpaulopimentel62


2. Poesia indicada por Maria Lúcia Levert


As fontes

"Um dia quebrarei todas as pontes

Que ligam o meu ser, vivo e total,

À agitação do mundo do irreal,

E calma subirei até às fontes.

Irei até às fontes onde mora

A plenitude, o límpido esplendor

Que me foi prometido em cada hora,

E na face incompleta do amor.

Irei beber a luz e o amanhecer,

Irei beber a voz dessa promessa

Que às vezes como um voo me atravessa,

E nela cumprirei todo o meu ser."


Sophia de Mello Breyner Andresen, em "Poesia I", 1944.

29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo