top of page
Buscar
  • portalbuglatino

Poesia Humana


Fazemos coisas horríveis a outros como nós

Quantos deles serão melhores

Alguns sem cama, sem lugar

Sem destino, sem futuro

Restam-nos as palavras

Resta-nos dizer o quanto lamentamos?


1. Poesia indicada pelo Bug Latino


“Uma ponte costumava estar lá, alguém lembrou”


“Uma ponte costumava estar lá, alguém lembrou,

antes da guerra:

uma velha ponte de pedestres.

A patrulha passa a cada cinco horas.

A noite será seca e agradável.


Dois caras mais velhos e um jovem.

Ele leu o crepúsculo como um livro,

alegrar-se, ele repetiu para si mesmo, ser alegre:

você ainda vai dormir

em sua cama hoje.


Hoje você ainda vai acordar em um quarto

ouvindo atentamente seu corpo.

Hoje você ainda estará olhando para a siderúrgica

ficar ocioso durante todo o verão.


Casa que está sempre com você como um pecado.

Pais que nunca envelhecerão.

Hoje você ainda verá um dos seus,

quem quer que seja que você chama de um dos seus.


Ele lembrou da cidade de onde tinha escapado.

o terreno queimado que ele procurou à mão.

Ele lembrou de um homem chorando

salvo pelo esquadrão.


A vida será tranquila, não aterrorizante.

Ele deveria ter voltado há algum tempo.

O que poderia acontecer com ele, exatamente?

O que poderia acontecer?


A patrulha vai deixá-lo passar,

e deus perdoará.

Deus tem outras coisas para fazer.


Todos foram mortos ao mesmo tempo — ambos os caras mais velhos,

e o que era jovem.

Silêncio entre as margens do rio.

Você não vai explicar nada a ninguém.


A bomba caiu entre eles —

naquela margem do rio

mais perto de casa.


A lua apareceu entre nuvens,

ouviu a melodia dos insetos.

Um médico calmo e sonolento

carregou os corpos em um caminhão militar.


Ele brigou com seu câmbio manual.

Procurou o veneno que sobrou em um kit de primeiros socorros.

E um observador que falava inglês

habilmente olhou para os cadáveres.


Até bronzeado.

Boca nervosa.

Ele fechou os olhos do jovem.

Ele pensou consigo mesmo: um povo estranho,

os moradores locais.”


Serhiy Viktorovych Zhadan

Poeta, romancista, ensaísta e tradutor ucraniano


2. Poesia indicada por Maria Lúcia Levert


“AS PALAVRAS”


"São como um cristal,

as palavras.

Algumas, um punhal,

um incêndio.

Outras,

orvalho apenas.


Secretas vêm, cheias de memória.

Inseguras navegam;

barcos ou beijos,

as águas estremecem.


Desamparadas, inocentes,

leves.

Tecidas são de luz

e são a noite.

E mesmo pálidas

verdes paraísos lembram ainda.


Quem as escuta? Quem

as recolhe, assim,

cruéis, desfeitas,

nas suas conchas puras?"


EUGÉNIO DE ANDRADE

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page