Buscar
  • portalbuglatino

Os gênios da Poesia


Clarice Lispector

Não são muitos o que conseguem nos falar da vida, dos instantes, como Clarice Lispector e Fernando Pessoa. Apreciemos. Sofreram muito para abrirem estas portas mágicas, de ser, de estar, de sentir, de entender o mundo.


1. Poesia indicada pelo Bug Latino


“Dá-me a tua mão”


“Dá-me a tua mão:

Vou agora te contar

como entrei no inexpressivo

que sempre foi a minha busca cega e secreta.

De como entrei

naquilo que existe entre o número um e o número dois,

de como vi a linha de mistério e fogo,

e que é linha sub-reptícia.


Entre duas notas de música existe uma nota,

entre dois fatos existe um fato,

entre dois grãos de areia por mais juntos que estejam

existe um intervalo de espaço,

existe um sentir que é entre o sentir

– nos interstícios da matéria primordial

está a linha de mistério e fogo

que é a respiração do mundo,

e a respiração contínua do mundo

é aquilo que ouvimos

e chamamos de silêncio.”


Clarice Lispector

Fernando Pessoa

2. Poesia indicada por Maria Lúcia Levert


"Vive, dizes, no presente;

Vive só no presente.

Mas eu não quero o presente, quero a realidade;

Que as coisas que existem, não o tempo que as mede.

O que é o presente?

é uma coisa relativa ao passado e ao futuro.

é uma coisa que existe em virtude de outras coisas existirem.

Eu quero só a realidade, as coisas sem presente.

Não quero incluir o tempo no meu esquema.

Não quero pensar nas coisas como presentes; quero pensar nelas como coisas.

Não quero separá-las de si-próprias, tratando-as por presentes.

Eu nem por reais as devia tratar.

Eu não as devia tratar por nada.

Eu devia vê-las, apenas vê-las;

Vê-las até não poder pensar nelas,

Vê-las sem tempo, nem espaço,

Ver podendo dispensar tudo menos o que se vê.

É esta a ciência de ver, que não é nenhuma.

Passei toda a noite, sem dormir, vendo, sem espaço, a figura dela,

E vendo-a sempre de maneiras diferentes do que a encontro a ela.

Faço pensamentos com a recordação do que ela é quando me fala,

E em cada pensamento ela varia de acordo com a sua semelhança.

Amar é pensar.

E eu quase que me esqueço de sentir só de pensar nela.

Não sei bem o que quero, mesmo dela, e eu não penso senão nela.

Tenho uma grande distracção animada.

Quando desejo encontrá-la

Quase que prefiro não a encontrar,

Para não ter que a deixar depois.

Não sei bem o que quero, nem quero saber o que quero. Quero só

Pensar nela.

Não peço nada a ninguém, nem a ela, senão pensar."


Fernando Pessoa

em Poemas de Fernando Pessoa





88 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo